quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Amar-elo

Tenho medo de tocar-te demais,
medo de quebrar-te, medo de cansar-te
Tenho tanto medo de tuas retinas cheias de mim
De tuas mãos enjoadas das minhas


Medo, medo, medo

do colorido das tuas bochechas
da luz infernal de teu corpo
Dessa tua boca ébria a dizer obscenidades

E se a fonte do teu sorriso secar?
E se teus pés desaprenderem o rumo dos meus?
E se um dia, simplesmente, amanheça e tu não esteja?

E se...


Quanto mais tenho medo, mais desejo estar perto de ti.

3 comentários:

Violeta disse...

deixa o medo atrapalhar não,moça. Só se vive uma vez...
.
beijo
.

Solin disse...

andréa, começou com tudo.
palavras sensatas e embriagadas ao mesmo tempo.
e todas essas coisas verbais, né.
acho que amar pode ser verbos demais e orações de menos.

hum.

Thais Zimerer disse...

Lindo!
Postei no meu blog, mas com créditos!
Abçs