domingo, 7 de dezembro de 2008

por sobrevivência

Nada mais me assusta
Comunguei comigo mesma, por sobrevivência
Mas às vezes me ignoro, sem medo
Hoje eu quero tirar a roupa pesada da alma
Dar ouvido a zumbidos mansos
Tô caindo mas não vou deixar de caminhar
Vou dar o cabelo ao ventoVou rasgar críticas
Vou dar risada dos medos
Por sobrevivência
Hoje amanheci azul
Entre um ruído e outro na noite passada
Deliciosamente eu amanheci
De azul
.
[violeta]
.

5 comentários:

JOCENDIR CAMARGO disse...

Dá vontade de caminhar, e vestido de azul, rir e cantar... aquiloo que assusta vai embora quando leio seu pensar... uma bela semana à tí, colorida tal arco-íris numa bela manhã de domingo...
um beijo com meu carinho...

Solin disse...

acho q numa situação parecida, tive sensações semelhantes de libertação. uma necessidade.
mas é isso aí: "tudo novo de novo, vamos começar de onde já caímos"

azul!

Solin disse...

*corrigindo:
"É tudo novo de novo
Vamos nos jogar onde já caímos"

Three time free disse...

essa violeta é tão flor, é tão aroma, é meu perfume, não é enjoativa e me ativa a cada palavra dela escrita.
.
amo-a.
:)
beijos, minha florzita queridíssima!

Violeta disse...

é tanto carinho...
eu fico é muito feliz
beijocas
=)
.